quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Comitê da ONU faz recomendações ao Brasil sobre os direitos das pessoas com deficiência


Convenção sobre os Direitos das Pessoas com DeficiênciaDistr.: General4 September 2015ADVANCE UNEDITED VERSIONOriginal: English



Comitê sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência
Observações finais sobre o relatório inicial do Brasil *
I. Introdução
1. O Comitê considerou o relatório inicial do Brasil (CDPD / C / BRA / 1) Nas suas reuniões 216th e 217th, realizadas em 25 e 26 de Agosto de 2015, respectivamente, e aprovou as seguintes observações finais em sua reunião realizada em 226, 1 setembro 2015.
2. O Comitê congratula o relatório inicial do Brasil, que foi preparado de acordo com as diretrizes para relatórios do Comitê, e agradece ao Estado Parte pelas respostas por escrito (CDPD / C / BRA / CO / R.1) para a lista de questões preparadas pelo Comitê.
3. O Comité aprecia o diálogo frutífero mantido com a delegação do Estado-parte e recomenda ao Estado pelo alto nível da sua delegação, que incluiu um número notável de delegados com deficiência de todos os três ramos do governo do Estado.
II. Aspectos positivos
4. O Comitê parabeniza o Estado por  uma série de realizações, notadamente, que a Convenção tenha equivalência normativa Constitucional, a criação de uma Comissão Permanente sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência na Câmara dos Deputados do Congresso Nacional, em 2015, e a adoção de um Plano Nacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência – Viver Sem Limites. Congratula pela criação de conselhos sobre os direitos das pessoas com deficiência nos níveis municipais e estaduais, bem como no Distrito Federal, a adoção de várias medidas para melhorar a acessibilidade em diferentes áreas da Convenção, tais como a campanha BB de acessibilidade para facilitar acesso a tecnologias assistivas, a criação do Comité Ministerial de Assistência Técnica, e as disposições jurídicas para implementar a acessibilidade nos sites governamentais, rádio e TV, e a provisão de prestações pecuniárias a pessoas com deficiência, pelo Sistema de Segurança Social.
5. O Comitê também recomenda o Estado por sem membro do Grupo de Washington sobre Estatística em deficiência , e sua agenda de cooperação internacional para melhorar o exercício dos direitos das pessoas com deficiência em países de língua portuguesa.
III. Principais áreas de preocupação e recomendações
A. Princípios Gerais e obrigações (arts. 04/01)
6. O Comitê está preocupado com a falta de uma estratégia coerente e global voltada para a deficiência, para implementar o modelo de direitos humanos da deficiência estabelecido na Convenção e harmonizar a legislação, políticas e programas do Estado Parte.
7. O Comitê recomenda que o Estado-parte desenvolva uma estratégia voltada para a deficiência para implementar o modelo de direitos humanos de deficiência. O Comitê recomenda ainda que, em consulta com as organizações de pessoas com deficiência, o Estado Parte inicie uma revisão sistemática da legislação, políticas e programas existentes e, se necessário, ajuste-os de acordo com a Convenção. Isto deve incluir uma revisão de toda a legislação, políticas ou programas em que os direitos das pessoas com deficiência sejam limitados ou negados com base na deficiência, ou onde os serviços ou benefícios para as pessoas com deficiência levem à sua segregação ou exclusão.
8. O Comitê está preocupado que o Estatuto das Pessoas com Deficiência (Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência) não cumpra todas as obrigações do Estado Parte à luz da Convenção.
9. A Comissão insta o Estado a tomar medidas imediatas para trazer o Estatuto das Pessoas com Deficiência (Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência) em pleno alinhamento com a Convenção antes de sua entrada em vigor, em consulta com as organizações de pessoas com deficiência .
10. O Comitê está preocupado com a falta de mecanismos em vigor para a participação das pessoas com deficiência, através das suas organizações representativas, nos processos de tomada de decisões relativas à implementação da Convenção.
11. O Comitê recomenda a adoção de um mecanismo de consulta para consultas sistemáticas com pessoas com deficiência, através das suas organizações representativas, sobre as políticas, programas e legislação relativas à implementação da Convenção. O Comitê também recomenda que o Estado-Parte implemente rapidamente os resultados de todas as conferências nacionais sobre os direitos das pessoas com deficiência, incluindo as propostas da “III Conferência Nacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência” (CDPD / C / BRA / Q / 1 / Add.1 para. 11).
B. Direitos Específicos (arts. 5-30)
Igualdade e não discriminação (art. 5)
12. O Comitê está preocupado com a falta de medidas para enfrentar a discriminação contra as pessoas indígenas e afro-descendentes com deficiência. Em particular, está preocupado com o isolamento das comunidades indígenas que colocam as pessoas com deficiência em condições de exclusão extremas.
13. O Comitê recomenda ao Estado Parte aplicar a legislação, políticas e programas inter-setoriais para lidar com as múltiplas formas de discriminação contra as pessoas indígenas e afro-descendentes com deficiência, em particular, para evitar que as pessoas com deficiência que vivem em comunidades indígenas isoladas, ou em áreas remotas, de exclusão.
Mulheres com deficiência (art. 6)
14. O Comitê está preocupado que as medidas tomadas pelo Estado-parte para prevenir a violência contra mulheres e meninas, como a Lei Maria da Penha (Lei nº 11340/2006) e Hotline Atendimento à Mulher – Ligue 180, não sejam eficazes no combate à violência contra as mulheres e meninas com deficiência, e não sejam totalmente acessíveis a surdos e outras mulheres e meninas com deficiência.
15. O Comitê recomenda o Estado-Parte a tomar medidas imediatas a adotar medidas concretas para garantir que suas leis, políticas e programas especificamente destinados à violência contra as mulheres, incluindo as mulheres institucionalizadas, sejam acessíveis e eficazes na prevenção e reparação da violência contra as mulheres e meninas com deficiência, incluindo medidas específicas, metas e indicadores.
16. O Comitê também está preocupado que o Estado não tenha uma estratégia para assegurar o pleno desenvolvimento, o avanço eo empoderamento das mulheres com deficiência, em conformidade com o artigo 6, parágrafo 2, da Convenção.
17. O Comitê recomenda que, em consulta com as mulheres com deficiência e suas organizações representativas, o Estado Parte implemente uma estratégia para promover cada um dos três elementos do artigo 6, parágrafo 2, da Convenção.
Crianças com deficiência (art. 7)
18. O Comitê está preocupado que as crianças com deficiência não sejam sistematicamente envolvidas nas decisões que afetam suas vidas e não tenham a oportunidade de expressar sua opinião em assuntos que as afetam diretamente.
19. O Comitê recomenda que o Estado Parte adote salvaguardas para garantir a consulta de meninas e meninos com deficiência e suas organizações representativas em todas as decisões que afetam suas vidas.
Sensibilização (art. 8)
20. O Comitê está preocupado com a falta de estratégias para promover especificamente o conteúdo da Convenção e do modelo de direitos humanos de incapacidade para o público em geral, funcionários públicos e agentes privados.
21. O Comitê recomenda que o Estado Parte, em cooperação com organizações de pessoas com deficiência, realize campanhas de sensibilização do público para reforçar a imagem positiva das pessoas com deficiência como detentores de todos os direitos humanos consagrados na Convenção. O Comitê também recomenda que o Estado-parte ofereça formação sobre os direitos reconhecidos na Convenção a todas as autoridades públicas e profissionais públicos e privados que trabalham com pessoas com deficiência. Recomenda igualmente fornecer informações sobre a Convenção para pessoas com deficiência, em especial indígenas com deficiência e suas famílias.
Acessibilidade (artigo 9.º)
22. O Comitê observa com preocupação que a acessibilidade do ambiente construído, transportes, informação e comunicação e serviços abertos ao público não esteja plenamente alcançada, especialmente em áreas remotas e rurais.
23. O Comitê recomenda que o Estado-Parte tome medidas eficazes para garantir a acessibilidade do ambiente construído, transportes, informação e comunicação e serviços abertos ao público, em linha com a do Comitê Comentário Geral n.º 2 (2014), na acessibilidade, na áreas rurais e remotas, inclusive com a plena implementação da legislação em vigor, incluindo os contratos públicos e as políticas, um acompanhamento eficaz e puna todos os que não cumprirem integralmente as normas de acessibilidade.
Igual Reconhecimento perante a lei (artigo 12.º).
24. O Comitê está preocupado que a legislação do Estado-parte ainda preveja  a tomada substitutiva de decisão em algumas circunstâncias. Isto é contrário ao artigo 12 da Convenção, como o Comité explica no comentário geral No. 1 (2014) sobre a igualdade e reconhecimento perante a lei. O Comitê também está preocupado que os processos decisórios apoiados exijam a aprovação judicial e não dêem primazia à autonomia, vontade e às preferências das pessoas com deficiência.
25. A Comissão insta o Estado a retirar todas as disposições legais que perpetuam o sistema de tomada de decisão substitutiva. Ele também recomenda que, em consulta com as organizações de pessoas com deficiência e outros prestadores de serviços, o Estado Parte adote medidas concretas para substituir o sistema de substitutivo com um modelo de tomada de decisão apoiada, que defenda a autonomia, a vontade e as preferências na tomada de decisão das pessoas com deficiência, em plena conformidade com o artigo 12 da Convenção. Recomenda ainda que todas as pessoas com deficiência atualmente sob tutela sejam devidamente informadas sobre o novo regime legal e que o exercício do direito à tomada de decisão apoiada deve ser garantido em todos os casos.
Acesso à justiça (art. 13)
26. O Comitê está preocupado com a falta de acessibilidade das instalações judiciais. Ele também está preocupado com a falta de medidas para assegurar acomodações adequadas ao gênero e à idade em processos relacionados com pessoas com deficiência.
27. O Comitê recomenda que o Estado-parte apresente um plano nacional para garantir a acessibilidade das instalações judiciais. Recomenda também que tome medidas para assegurar que os processos judiciais incluam acomodações adequadas à idade, ao género e às pessoas com deficiência. Além disso, o Comitê recomenda a introdução de treinamento efetivo de pessoal nos sistemas de justiça, policiais e prisionais sobre os direitos consagrados na Convenção.
Liberdade e segurança da pessoa e proibição da tortura ou tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante (arts. 14 e 15)
28. O Comitê está preocupado com relatos da privação arbitrária de liberdade e tratamento involuntário de pessoas com deficiência, com base em deficiência, incluindo situações em que é assumido que as pessoas com deficiência são perigosas para si ou para outrem, com base em um diagnóstico discriminatório.
29. O Comitê recomenda que o Estado-Parte a tomar medidas, incluindo a revogação das disposições legais pertinentes, para abolir a prática da internação involuntária ou hospitalização tratamento médico forçado e que proíba, em particular tratamentos psiquiátricos, com base na deficiência e forneça alternativas de tratanmento baseado na comunidade.
30. O Comitê está preocupado que as pessoas com deficiência que não são consideradas responsáveis ​​pela prática de um crime com base na deficiência podem estar sujeitos a medidas de segurança, incluindo a detenção indefinida. O Comitê também está preocupado com detenções arbitrárias que podem escalar para um tratamento desumano e degradante ou tortura. É ainda mais preocupante a situação das pessoas com deficiência privadas de sua liberdade em prisões e outros locais de detenção, que são superlotados e onde os maus-tratos psíquico e psicológico dos detentos se tornam uma norma,  sobre tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, desumanas ou degradantes, como afirmou o relator especial da ONU no final de sua visita oficial ao Brasil em agosto de 2015.
31. O Comitê recomenda que o Estado Parte:
(a) Suprima as medidas de segurança que envolvem a detenção arbitrária de pessoas com deficiência com base em deficiência e implemente medidas alternativas que sejam consistentes com os artigos 14 e 19 da Convenção; e
(b) Assegure que os estabelecimentos penitenciários são acessíveis e prever adaptações razoáveis ​​para as pessoas com deficiência.
Contra a exploração, violência e abuso (16 art.)
32. O Comitê está preocupado com a falta de mecanismos dedicados a identificar, investigar e processar os casos de exploração, violência e abuso contra pessoas com deficiência. O Comité lamenta também a falta de dados desagregados nos relatórios e investigações sobre abuso, exploração e violência contra mulheres, homens, meninas e meninos com deficiência.
33. O Comitê recomenda que o Estado-parte assegure a disponibilização de monitoramento acessível, eficaz e independente dos programas e instalações destinados a atender pessoas com deficiência, e mecanismos de reclamação em alinhamento com o artigo 16 (3) e assegure que as autoridades possam identificar, investigar e processar todos os casos de violência contra pessoas com deficiência. Recomenda também garantir que o Ministério Público e os escritórios de advogados para pessoas com deficiência investiguem os casos relacionados à violência e à exploração das pessoas com deficiência através da atribuição de recursos humanos, técnicos e financeiros. O Comitê recomenda que o Estado Parte colete dados desagregados e estatísticas sobre relatórios de pessoas com deficiência sobre abuso, exploração e violência, e os seus resultados.
Proteger a integridade da pessoa (art. 17)
34. O Comitê está profundamente preocupado que as crianças e adultos com deficiência, cuja capacidade legal é restriao através de interdição possa ser esterilizado sem o seu consentimento livre e esclarecido, de acordo com a Lei nº 9263/1996. Ele também está preocupado que o Estatuto das Pessoas com Deficiência (Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência), autoriza o tratamento cirúrgico sobre pessoas com deficiência sob curatela, na ausência de consentimento livre, prévio e informado sobre uma base desigual com os outros.
35. O Comité recomenda ao Estado Parte tomar medidas para:
(a) rever imediatamente a Lei nº 9263/1996 e explicitamente proibir incondicionalmente a esterilização de pessoas com deficiência, na ausência de seu consentimento prévio, livre e plenamente informado e individual;
(b) assegurar que as pessoas com deficiência recebam apoio para fazer escolhas informadas e decisões relativas a procedimentos médicos e intervenções; e
campanhas (c) de conduta para sensibilizar as famílias, tutores, profissionais médicos e gestores de instituições de direitos das pessoas com deficiência, em especial as mulheres e meninas com deficiência, nos termos do artigo 17 da Convenção.
Vida independente e inclusão na comunidade (art. 19)
36. O Comitê está preocupado com a falta de acesso a serviços de apoio e subsídios, em especial os serviços de assistência pessoal, que visam possibilitar às pessoas com deficiência viver de forma independente e ser incluídas na comunidade. O Comitê também está preocupado que o Estado não tenha uma estratégia global para substituir a institucionalização com a vida baseada na comunidade para pessoas com deficiência.
37. O Comitê recomenda ao Estado Parte que estabeleça um quadro legal que preveja o direito a serviços de assistência pessoal para permitir às pessoas com deficiência viveren de forma independente na comunidade. O Comitê recomenda ainda que, em consulta com as organizações de pessoas com deficiência, o Estado Parte desenvolva e implemente uma desinstitucionalização eficaz e uma estratégia de vida baseada na comunidade com prazos e objetivos claros.
Liberdade de expressão e de opinião e acesso à informação (21 art.)
38. O Comitê está preocupado que a informação destinada ao público em geral, incluindo os pronunciamentos oficiais e campanhas políticas, ainda não estejam totalmente disponíveis em formatos acessíveis, como Braille, língua brasileira de sinais (LIBRAS), e outros modos acessíveis, nos meios e as formas de comunicação, incluindo formato fácil de ler.
39. O Comitê recomenda que o Estado-parte forneça os recursos e formação necessários para garantir que todas as informações destinadas ao público em geral esteja disponível em tempo hábil em formatos e tecnologias acessíveis.
Respeito ao lar e vida familiar (art. 23)
40. O Comitê está preocupado que as pessoas com deficiência sejam separadas de seus filhos com base na deficiência.
41. O Comitê recomenda que o Estado Parte tome medidas legais para proibir explicitamente a retirada de crianças com base no comprometimento de seus pais, incluindo quando o pai esteja sujeito à interdição.
42. O Comitê está preocupado com a falta de dados desagregados sobre o número de famílias de crianças com deficiência que têm acesso a bases de apoio, tais como os Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Centro de Referência Especializado da Assistência social – CREAS).
43. O Comitê recomenda que o Estado Parte colete e reporte dados desagregados sobre a disponibilidade de bases de apoio para as famílias das crianças com deficiência, e o número de famílias que acessem esses serviços.
Educação (art. 24)
44. O Comitê está preocupado que a matrícula de crianças com deficiência seja recusada em escolas, ou sejam cobradas taxas extras. Além disso, o Comitê está preocupado com a falta de acomodação razoável e ambientes escolares acessíveis  ​​no sistema de ensino regular.
45. O Comitê recomenda que o Estado Parte intensifique os seus esforços com dotações orçamentárias adequadas para consolidar um sistema de educação inclusiva de qualidade. Ele também recomenda a implementação de um mecanismo para proibir, fiscalizar e sancionar a discriminação com base na deficiência nos sistemas de ensino público e privado, e de prever adaptações razoáveis ​​e acessibilidade em todas as instalações educacionais.
Saúde (art. 25)
46. ​​O Comitê está preocupado que os serviços de saúde convencionais não sejam acessíveis para pessoas com deficiência. O Comitê também está preocupado com a falta de profissionais de saúde que têm a formação adequada para prestar cuidados de saúde inclusivo e atender às necessidades específicas das pessoas com deficiência.
47. O Comitê recomenda que o Estado Parte adote planos e aloque recursos para garantir que os serviços tradicionais de saúde, incluindo os serviços de saúde sexual e reprodutiva e informações, sejam acessíveis a pessoas com deficiência. Ele também recomenda que o Estado Parte garanta que os profissionais de saúde nos serviços de saúde tradicionais recebam formação sobre os direitos consagrados na Convenção.
Trabalho e emprego (art. 27)
48. O Comitê está preocupado com a discriminação contra pessoas com deficiência no mundo do trabalho, especialmente as mulheres com deficiência, e que continuem dependentes de de oficinas protegidas. Ele também está preocupado com os baixos níveis de conformidade com o regime de quotas aplicável às empresas privadas com 100 ou mais empregados.
49. O Comitê recomenda que, em consulta com as organizações que representam pessoas com deficiência, o Estado Parte desenvolva e implemente uma estratégia coordenada para aumentar o emprego das pessoas com deficiência no mercado de trabalho aberto, incluindo medidas específicas para as mulheres com deficiência. Recomenda-se ainda tomar medidas imediatas para criar possibilidades de transição do emprego segregado para o mercado de trabalho aberto.
Padrão adequado de vida e proteção social (28 art.)
50. O Comitê está preocupado que muitas pessoas com deficiência vivam em situação de pobreza e não têm acesso a recursos para manter um padrão de vida adequado; está particularmente preocupado com as pessoas com deficiência que vivem em comunidades indígenas isoladas, áreas rurais remotas e em condições de extrema pobreza, que estão expostas à exclusão.
51. O Comitê recomenda que o Estado Parte reveja os requisitos de qualificação para a proteção social para garantir o acesso às pessoas com deficiência que vivem em situação de pobreza e capacitá-los a cobrir as despesas relacionadas com a deficiência, dando especial atenção às que vivem em comunidades indígenas isoladas, rural e áreas remotas. Participação na vida política e pública (art. 29)
52. O Comitê está preocupado que as pessoas com deficiência sob interdição sejam discriminadas em relação a seu direito de voto. O Comitê também está preocupado que muitos locais de votação não são acessíveis para pessoas com deficiência, e que a votação não seja oferecida em todos os formatos acessíveis.
53. A Comissão, recordando sua visão no comunicado nº 4/2011 (Zsolt Bujdoso e cinco outros v. Hungria) de que as restrições legislativas sobre o direito de voto das pessoas com deficiência, cuja capacidade legal foi restringido nos termos da tutela viola o artigo 29 da Convenção, insta o Estado a remover as restrições legais e imediatamente restaurar o direito de voto para as pessoas privadas de capacidade jurídica através de interdição. O Comitê também recomenda que o Estado-parte  aumentar os seus esforços para assegurar que a votação procedimentos, instalações e materiais sejam totalmente acessíveis para pessoas com deficiência.
Participação na vida cultural, recreação, lazer e esporte (30 art.)
54. O Comitê está preocupado que o Estado não tenha ratificado o Tratado de Marrakesh para facilitar o acesso às obras publicadas por pessoas cegas, deficientes visuais, ou caso contrário imprima pessoas com deficiência, o que permitiria pessoas que são cegos, deficientes visuais ou impedidos de ler impressos para acessar trabalhos publicados. Também está preocupado que as áreas turísticas e instalações não são totalmente acessíveis para pessoas com deficiência.
55. O Comitê recomenda que o Estado Parte ratifique o Tratado de Marrakesh. Recomenda ainda que tome medidas apropriadas para assegurar que as bibliotecas sejam acessíveis a todas as pessoas com deficiência, incluindo pessoas com deficiências cognitivas ou psico-sociais e aquelas que são surdas-cegas. Recomenda ainda a intensificação de seus esforços para fazer o turismo no Brasil totalmente acessível.
C. Obrigações específicas (arts. 31-33)
Estatísticas e coleta de dados (art. 31)
56. O Comitê está preocupado que o Estado não colete sistematicamente dados desagregados em todos os setores de acordo com sexo, idade, deficiência, povos indígenas e localização geográfica.
57. O Comitê recomenda que o Estado Parte facilite a coleta sistemática, análise e disseminação de dados desagregados em todos os setores, incluindo saúde, educação, emprego, participação política, acesso à justiça, proteção social, violência e invalidez e de acordo com outras categorias listadas acima, altere as perguntas do censo, em estreita cooperação com as organizações de pessoas com deficiência, para refletir com precisão a população.
Cooperação internacional (art. 32)
58. O Comitê encoraja o Estado parte a integrar a perspectiva baseada em direitos das pessoas com deficiência, em conformidade com as disposições da Convenção, em todos os esforços para cumprir a Agenda de Desenvolvimento pós-2015 , incluindo a garantia de participação das organizações representativas das pessoas com deficiência em acompanhamento da sua execução.
Implementação e acompanhamento nacional (art. 33)
59. O Comitê está preocupado que o Conselho Nacional para a Protecção dos Direitos de Pessoas com Deficiência (CONADE) não constitui um mecanismo de controlo independente em conformidade com os Princípios de Paris.
60. O Comitê recomenda que o Estado Parte estabelecer um mecanismo independente em conformidade com os Princípios de Paris com os recursos necessários para promover, proteger e monitorar a implementação da Convenção, assegurando a plena participação das pessoas com deficiência e suas organizações representativas mencionados neste documento.
Acompanhamento e divulgação
61. O Comitê solicita que o Estado Parte, no prazo de 12 meses e de acordo com o artigo 35, parágrafo 2, da Convenção, forneceremos informações por escrito sobre as medidas tomadas para implementar as recomendações da Comissão, conforme estabelecido nos parágrafos 25 e 35 (a) acima.
62. O Comitê solicita ao Estado Parte para implementar as recomendações do Comité como contidos nas observações finais. Ele recomenda que o Estado Parte transmitir as observações finais para consideração e ação para os membros do Governo e do Congresso Nacional, funcionários de ministérios relevantes, autoridades locais, membros de grupos profissionais relevantes, como a educação, assistência médica e profissionais da área jurídica, bem como a meios de comunicação, utilizando estratégias de comunicação social modernos.
63. O Comitê encoraja o Estado-parte a envolver organizações da sociedade civil, nomeadamente as organizações de pessoas com deficiência, na preparação do seu relatório periódico.
64. O Comitê solicita ao Estado Parte que dissemine estas observações finais amplamente, inclusive das organizações não governamentais e organizações representativas das pessoas com deficiência, bem como para pessoas com eles mesmos e os membros das suas famílias, deficiência em línguas nacionais e das minorias, incluindo linguagem de sinais, e em formatos acessíveis, e disponibilizá-los no site do governo sobre os direitos humanos.
Próximo relatório
65. O Comitê solicita que o Estado-parte a apresentar o seu combinado em segundo, terceiro e quarto relatórios periódicos mais tardar em 1 de Setembro de 2022, e para incluir informações nele sobre a implementação das observações finais. O Comité convida o Estado Parte considerar a apresentação dos relatórios acima mencionados sob procedimento de notificação simplificada do Comité, de acordo com a qual o Comité prepara uma lista de problemas, pelo menos, um ano antes da data fixada para o relatório / relatórios combinados de um Estado Parte . As respostas de um Estado parte dessa lista de questões que constituem o seu relatório.
*  Adotado pelo Comitê na 14a.  sessão (de 17 de agosto a 4 de setembro de 2015) .


Nenhum comentário:

Postar um comentário