terça-feira, 19 de julho de 2011

O CURRÍCULO ADAPTADO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DO PORTADOR DE



Marina S. R. Almeida
Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga, Pedagoga e Psicopedagoga
INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
(13) 34663504 (13) 30191443 (13) 91773793
R. Jacob Emmerich, 365 sala 13 - Centro-São Vicente-SP
contato@institutoinclusaobrasil.com.br
www.institutoinclusaobrasil.com.br
 

SEED

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O CURRÍCULO ADAPTADO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DO PORTADOR DE

NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NA ÁREA DE DEFICIÊNCIA MENTAL

GOIOERÊ – PR

2008

ROSÂNGELA MARIA HENRIQUES

O CURRÍCULO ADAPTADO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DO PORTADOR DE

NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NA ÁREA DE DEFICIÊNCIA MENTAL

Caderno Pedagógico. Roteiro para

Estudo de caso. Programa do

Desenvolvimento Educacional(PDE)

solicitado como quesito parcial para

obtenção da certificação de

conclusão do curso.

Orientadora: Prof

a. Ms. Zelina

Berlatto Bonadimann

GOIOERÊ – PR

2008

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

SUPERINTENDENCIA DA EDUCAÇÃO

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL – PDE

CADERNO PEDAGOGICO

1. IDENTIFICAÇÃO

1.1 ÁREA:

EDUCAÇÃO ESPECIAL

1.2 PROFESSOR PDE:

ROSÂNGELA MARIA HENRIQUES

1.3 PROFESSOR ORIENTADOR IES UNIOESTE:

ZELINA BERLATTO

BONADIMANN

2. TEMA DE ESTUDO DA INTERVENÇÃO:

ROTEIRO PARA ESTUDO DE CASO

3. TÍTULO

Roteiro para Estudo de Caso para avaliação/acompanhamento de alunos

portadores de deficiência mental a fim de subsidiar a implantação de Currículo

Adaptado com o propósito de estimular o processo de aprendizagem.

4. ROTEIRO PARA ESTUDO DE CASO

4.1. PROBLEMATIZAÇÃO

O currículo é visto como um recurso para promover o desenvolvimento e a

aprendizagem dos alunos. Na página 53, dos Parâmetros Curriculares Nacionais –

Adaptações Curriculares é abordada a necessidade de que sejam realizadas

adaptações significativas no currículo, devendo-se portanto levar em conta as

características individuais, sendo indicado conteúdos de caráter funcional e prático,

para o atendimento à alunos que apresentam déficits que comprometam o

funcionamento cognitivo, psíquico e sensorial, constituindo deficiências graves.

Com base no principio da individualização do ensino, as adaptações oferecem

possibilidades educacionais frente às dificuldades de aprendizagem dos alunos.

Através do Estudo de Caso, observar-se-á as necessidades especiais do

aluno, considerando suas competências acadêmicas, seu contexto escolas e familiar

com a participação da equipe técnica e docente da escola onde o aluno está inserido.

As Adaptações Curriculares são estratégias que visam a melhoria da

eficiência educativa, contribuindo, de forma coerente com a inclusão e com os

sistemas educacionais atuais.

As Adaptações Curriculares são caracterizadas pela busca de um maior

dinamismos e flexibilização do projeto político pedagógico de cada estabelecimento de

ensino bem como da formação de cada educador. São modificações gradativas no

Currículo Geral da escola, cujos procedimentos tem como objetivo a resposta

educativa do aluno, sem que se perca a noção sociocultural da realidade que envolve

a escola.

As Adaptações Curriculares precisam ser avaliadas periodicamente, já que as

mesmas servem para ajudar a superar etapas do processo, sendo assim não servem

para sempre já que a necessidade de hoje pode não ser a de amanhã.

As adaptações curriculares propriamente ditas, no processo de inclusão do

Portador de Necessidades Educativas Especiais na área de Deficiência Mental é

objeto das discussões apresentadas neste trabalho, pois sabemos que a realização

das adaptações curriculares é o cominho para o atendimento das necessidades

específicas de aprendizagem dos alunos.

4.2. OBJETO DE ESTUDO

Assim, o presente trabalho tem por finalidade formalizar um Roteiro para

Estudo de Caso que contribuirá para identificar e compreender a efetivação e

aplicabilidade do currículo adaptado e das flexibilizações curriculares para os alunos

Portadores de Necessidades Educativas Especiais na área de Deficiência Mental

inclusos no ensino comum, como também nas Escola Especiais, com o propósito de

estimular o processo de uma aprendizagem significativa.

Como também refletir a cerca da importância do professor enquanto

mediador da aprendizagem no contexto da escola inclusiva. Assim como discutir

conceitos a serem utilizados pelo docente a fim de fundamentar sua prática

pedagógica.

4.3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Art. 17. Em consonância com os princípios da educação

inclusiva, as escolas das redes regulares de educação

profissional, públicas e privadas, devem atender alunos que

apresentem necessidades educacionais especiais, mediante a

promoção das condições de acessibilidade, a capacitação de

recursos humanos, a flexibilização e adaptação do currículo

e o encaminhamento para o trabalho,contando, para tal,com a

colaboração do setor responsável pela educação especial do

respectivo sistema de ensino.( Resolução CNE/CEB Nº2, 2001)

A escola só será entendida como ela realmente é, de todos e para todos, à

medida que na reflexão sobre a escola, a comunidade da qual se originou os alunos,

suas necessidades, os objetivos a serem alcançados por meio da ação educacional,

tiver o envolvimento de todos.

Toda a escola deve desenvolver e regulamentar os procedimentos para a

identificação de necessidades educacionais presentes no seu alunado, com o objetivo

de garantir a todos o acesso ao conhecimento e o desenvolvimento de suas

potencialidades. É responsabilidade da escola garantir que as necessidades

educacionais de todos seus alunos sejam identificadas e atendidas, e isso só será

alcançado se fizer parte da Política Educacional, e, se for estabelecido como objeto

específico da sua prática educacional.

As adaptações curriculares necessitam ser pensadas a partir do contexto

grupal em que se insere determinado aluno; as adequações se referem a um contexto

e não a criança. As flexibilizações curriculares devem ser pensadas a partir de cada

situação particular e não como propostas universais. A adaptação curricular, feita por

um professor, para um aluno especifico, são válidas apenas para esse aluno e para

esse momento.

A adaptação curricular funciona como instrumento para implementar uma

prática educativa para a diversidade e devem responder a uma construção do

professor em interação com o coletivo de professores da escola e outros profissionais

das áreas da educação, saúde e assistência social.

Após a identificação das adaptações que deverão ser implementadas, deve

ser planejado e levado a efeito com a participação do coletivo envolvido no contexto

escolar, para que o educando portador de necessidades educacionais especiais tenha

assegurado seus direitos a educação e a cidadania.

Ao professor deverá ser assegurado o suporte necessário para que em sala

de aula ele possa disponibilizar de todos os meios, métodos, técnicas, recursos a fim

de garantir ao aluno com necessidades educacionais especiais todas as possibilidades

para o seu desenvolvimento.

As respostas educativas que devem ser dadas pelo sistema educacional, de

forma a garantir a todos os alunos, inclusive aos que apresentam necessidades

educacionais especiais, são as chamadas Adaptações Curriculares.

Os tipos de estratégias que são necessárias para permitir a todos os alunos,

inclusive as com deficiência, participem integralmente das oportunidades

educacionais, com resultados favoráveis, dentro de uma programação tão normal

quanto possível, são reveladas pelas necessidades especiais destes.

Levando-se em conta o conjunto de necessidades educacionais do alunado,

as estratégias compreendem ações denominadas de Adaptações Curriculares de

Grande Porte, quando estas são de competência e atribuição das políticoadministrativas

superiores, por exigirem modificações que envolvem ações de

natureza política, administrativa, financeira, burocrática; e Adaptações Curriculares de

Pequeno Porte que compreende modificações menores, de competência do professor,

como pequenos ajustes nas ações planejadas a serem desenvolvidas no contexto da

sala de aula.

Tomando por base Vigostsky ( 1983 ), uma criança portadora de um defeito

não é simplesmente uma criança menos desenvolvida que as demais, apenas se

desenvolve de forma diferente.

As Adaptações Curriculares constituem possibilidades educativas de atuar

frente às dificuldades de aprendizagem dos alunos, com base no principio da

individualização do ensino, e consistem na planificação e ação do docente

fundamentadas em critérios que definam: o que o aluno deve aprender; como e

quando aprender; que forma de organização de ensino são mais eficazes para o

processo de aprendizagem; o que, como e quando avaliar o aluno.

O projeto político pedagógico da escola deve referendar as respostas às

necessidades especiais do aluno, que irão apontar que tipos de ajuda, se fazem

relevantes a fim de que se cumpram as finalidades educacionais, não através de um

currículo novo, mas sim adaptações do currículo regular da escola, que visem aos

alunos com deficiência mental um desenvolvimento educacional tão normal quanto

possível e tão individualizado quanto seja necessário a fim de ajuda-lo a suprir as suas

necessidades.

Ao professor, cabe, através dos meios disponíveis ( Estudo de Caso ) definir

o nível de desenvolvimento do educando, bem como identificar os fatores que estão

interferindo no processo ensino-aprendizagem. Para a identificação das adaptações

curriculares, em qualquer nível, previamente se faz necessária a consideração de

alguns aspectos:

- as adaptações são realmente necessárias;

- as adaptações estão referendadas no currículo regular da escola;

- as adaptações curriculares estão baseadas no caráter processual do currículo,

permitindo as alterações que se fizerem necessárias;

- as adaptações curriculares foram precedidas de uma avaliação criteriosa do aluno;

- as adaptações curriculares estão fundamentadas na análise do contexto social,

familiar e escolar do aluno, subsidiando a identificação dos elementos adaptativos

necessários, bem como viabilizando mudanças sempre que oportunas;

- as adaptações curriculares devem ser registradas, a fim de fazer parte do acervo

documental do aluno e da escola;

- as medidas para se adotar as adaptações curriculares devem ter a participação de

toda equipe técnica e docente do estabelecimento de ensino, e sempre que

necessário deve também contar com o apoio de uma equipe multidisciplinar;

A escola, ao considerar a diversidade, tem como valor

Máximo o respeito às diferenças, não o elogio à

desigualdade. As diferenças não são obstáculos para o

cumprimento da ação educativa; podem e devem,

portanto, ser fator de enriquecimento" ( PCN –

Parâmetros Curriculares Nacionais ( p.96/97 ).

Através do presente trabalho propomos o avaliação/acompanhamento de

alunos portadores de deficiência que estejam freqüentando o ensino comum, salas de

apoio, sala especial ou escola especial e que sejam coletados informações/materiais

para análise e propostas educativas que promovam a participação produtiva no

processo ensino e aprendizagem.

Sugerimos que se proceda a coleta dos seguintes materiais, sempre em fotografia:

- avaliações já realizadas;

- laudos médicos ( quando houver );

- faz uso de medicação ( qual e prescrição de horários );

- ficha de matricula;

- avaliação e acompanhamento que esta sendo realizado do processo ensino e

aprendizagem;

- entrevista com o professor regente e do serviço de apoio, se for o caso

( metodologia, estratégias utilizadas, dados sobre a escolarização do aluno,

freqüência);

- atendimentos e/ou apoios complementares;

- cadernos;

- trabalhos diversos realizados em sala de aula ( desenhos, pinturas, pesquisa,

atividades espontâneas e outros );

- observações realizadas, identificação da problemática;

- entrevista com os pais do aluno ( levantamentos feitos pela escola e/ou equipe de

avaliadores de dados importantes da família e do próprio aluno ).

Poderão ser coletados fotos e serem feitas filmagem do aluno. Porém, nestes

caso, não esquecer de pedir a autorização dos pais ou responsáveis antes de faze-lo.

O presente Roteiro para Estudo de Caso contribuirá para identificar e

compreender a efetivação e aplicabilidade do currículo adaptado e das flexibilizações

curriculares para os alunos Portadores de Necessidades Educativas Especiais na área

de Deficiência Mental inclusos no ensino comum, como também nas Escola Especiais,

com o propósito de estimular o processo de uma aprendizagem significativa.

5. QUESTÕES PARA DISCUSSÃO

1- Como é feita a identificação da necessidade educativa especial do Portador de

Necessidade Educativa Especial na área da deficiência mental ?

2- A escola se preocupa em relacionar o contexto familiar, as capacidades e as

limitações do aluno especial?

3- Quais as metodologias e estratégias utilizadas, levando-se em conta a

escolarização do aluno Portador de Necessidades Educativas Especiais na

área da deficiência mental ?

4- Como é feita a avaliação e o acompanhamento do processo ensino

aprendizagem desse aluno em sala de aula ?

5- Quais os profissionais que estão envolvidos no atendimento especializado ao

Portador de Necessidades Educativas Especiais na área da deficiência

mental?

6- Quais os atendimentos e os apoios complementares ( áreas, profissionais,

modalidades, local de atendimento, e a freqüência destes atendimentos)

oferecidos dentro da escola?

7- Quais as Adaptações Curriculares propostas levando-se em conta a

acessibilidade e a aprendizagem do Portador de Necessidades Educativas

Especiais na área da deficiência mental ?

6. SUGESTÕES PARA ATIVIDADES

ROTEIRO PARA ESTUDO DE CASO

1- IDENTIFICAÇÃO:

1.1 - NOME DO ALUNO:___________________________________________

1.2 - DATA DE NASCIMENTO: _______/_______/__________

1.3 – IDADE: ______ ANOS E ___________ MESES

1.4 – FILIAÇÃO: MÃE: _____________________________________________

PAI: _____________________________________________

1.5 – ENDEREÇO: AV./RUA: _______________________________________

BAIRRO: _______________________________________

TELEFONE FIXO: ________________________________

TELEFONE CELULAR: ___________________________

2- COMPOSIÇÃO FAMILIAR:

NOME DO FAMILIAR

IDADE SEXO EST.

CIVIL

GRAU DE

PARENTESCO

GRAU DE

ESCOL.

LOCAL DE

TRABALHO

3- DADOS RELEVANTES SOBRE A FAMILIA:

__________________________________________________________________

__________________________________________________________________

__________________________________________________________________

__________________________________________________________________

__________________________________________________________________

__________________________________________________________________

4- DADOS RELEVANTES DA HISTÓRIA DO ALUNO ( GRAVIDEZ, PARTO,

DESENVOLVIMENTO, DOENÇAS E OUTROS ):

__________________________________________________________________

__________________________________________________________________

__________________________________________________________________

__________________________________________________________________

__________________________________________________________________

__________________________________________________________________

5- ESCOLARIDADE:

5.1 – ESCOLA ATUAL: ____________________________________________

5.2 – NIVEL DE ESCOLARIDADE: __________________ SERIE __________

5.3 - ENDEREÇO: AV./RUA: _______________________________________

BAIRRO: _______________________________________

TELEFONE FIXO: ________________________________

5.4 – MUNICÍPIO: ________________________________________________

5.5 – NRE : _____________________________________________________

5.6 – JÁ ESTUDOU EM OUTRAS ESCOLAS: __________________________

QUANTAS: __________________________________

6 – HISTÓRICO ESCOLAR:

ESCOLAS QUE FREQUENTOU SÉRIE ANO IDADE Nº DE

REPETENCIA

7 – DADOS RELEVANTES SOBRE A HISTÓRIA ESCOLAR DO ALUNO:

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

8 – DADOS DE ATENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE APOIO QUE JÁ TENHA

FREQUENTADO ( SALA DE APOIO, SALA DE RECURSO, SALA ESPECIAL,

ESCOLA ESPECIA, E OUTROS ):

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

9 – NECESSIDADES ESPECIAIS IDENTIFICADAS ( RELACIONAR OS CONTEXTOS

FAMILIAR, ESCOLAR, APOIOS E OUTROS):

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

10 – DADOS RELEVANTES PARA A REALIZAÇÃO DAS ADAPTAÇÕES

CURRICULARES:

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

11 – ADAPTAÇÕES PROPOSTAS:

11.1–ACESSIBILIDADE:

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

11.2 – APRENDIZAGEM:

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

12 – ATENDIMENTOS E APOIOS COMPLEMENTARES PROPOSTOS::

12.1 – ÁREAS: _____________________________________________________

12.2 – PROFISSIONAIS: _____________________________________________

__________________________________________________________________

12.3 – MODALIDADE: _______________________________________________

__________________________________________________________________

12.4 – LOCAL: _____________________________________________________

12.5 – FREQUENCIA: _______________________________________________

__________________________________________________________________

13 – PARTICIPAÇÃO DA FAMILIA NAS PROPOSTAS DE ADAPTAÇÕES

CURRICULARES:

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

14 – DADOS IMPORTANTES SOBRE O PROGRESSO ESCOLAR ESPERADO \

EXPECTATIVAS, CRITÉRIOS )

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

15 – ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DO PROCESSO:

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

_____________________________________________________________________

DATA ________/ ______/ ________

NOME DOS RESPONSÁVEIS E ASSINATURAS

8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BALLONE, G. J.

(2003). Deficiência mental. Disponível em

http://sites.uol.com.br/gballone/infantil/dm.html

BEANE,

J. A. Integração Curricular: a essência de uma escola democrática. In:

CURRICULO SEM FRONTEIRAS,

v.3. n.2, pp. 91-110, Jul/Dez 2003. Disponível no

site

www.curriculosemfronteiras.org

BRASIL

(1994). Declaração de Salamanca e linha de ação sobre as necessidades

educativas especiais. Brasília: CORDE.

BRASIL

(2000). LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação: Lei 9.394/96. Brasília:

CORDE.

BRASIL, SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

(1995). O processo de

integração escolar dos alunos portadores de necessidades educativas especiais no

sistema educacional brasileiro. Brasília: SEESP.

CANEN,

A.; Canen, A. G. ROMPENDO FRONTEIRAS CURRICULARES: o

multiculturalismo na educação e outros campos do saber. In:

CURRICULO SEM

FRONTEIRAS,

v.5, n.2, pp. 40-49 Jul/Dez 2005. Disponível no site

www.curriculosemfronteiras.org

CANDAU,

V. M. org. ( 2001 ). Didática, currículo e saberes escolares. 2ª ed. Rio de

Janeiro: DP&A

CARVALHO,

A. R.; SILVA, D. R.; e, ( 2006 ). Pessoa com deficiência: aspectos

teóricos e práticos/ organização do Programa Institucional de Ações Relativas às

Pessoas com Necessidades Especiais – PEE. Cascavel: EDUNIOESTE

CONSTITUIÇÃO FEDERAL.

(1988) Art. 205. Disponível no site www.planalto,gov,br

D`ANTINO,

M. E. F. ( 1997 ). A questão da integração do aluno com deficiência mental

na escola regular. In: M. T. E. Montoan ( org. ). A integração de pessoas com

deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon,

Editora SENAC, p.97-103.

FACCI,

M.G.D. ( 2004 ). Valorização ou esvaziamento do trabalho do professor?

Coleção formação de professores. Campinas: Autores Associados.

FRAWLEY,

W. ( 2000 ). Vigostky e a Ciência Cognitiva. Linguagem e interação das

mentes social e computacional. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

FONSECA,

V. ( 1987 ). Educação especial. Porto Alegre: Artes Médicas.

KIRK,

S. A.; Gallagher, J. J. ( 1987/1996 ). Educação do indivíduo excepcional.

Tradução Marília Zanella Sanvicente, 1ª ed., São Paulo: Martins Fontes.

LEONTIEV,

A. (1978). O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa. Livros Horizonte.

MAZZOTTA,

M.J.S. ( 2005 ). Educação Especial no Brasil História e Políticas

Públicas. 5ª ed. São Paulo: Cortez.

MOREIRA,

A. F.; LINHARES, C.; e. ( 1995 ). Formação de Professores pensar e fazer.

3ª ed. São Paulo: Cortez.

OMS –

Organização Mundial da Saúde (1993). CID. 10: Classificação internacional

das doenças mentais – classificação de transtornos mentais e de comportamento:

descrições clinicas e diretrizes diagnósticas. Trad. de Dorgival Caetano. Genebra,

Organização Mundial da Saúde; Porto Alegre, Ed. Artes Médicas.

PADILHA, A. M. Lunardi.

Práticas Pedagógicas na Educação Especial: a capacidade

de significar o mundo e a inserção do deficiente mental. 2 ed. Campinas: Fapesp,

2005.

PARANÁ.

Inclusão e diversidade: reflexões para a construção do projeto políticopedagógico.

Disponível no site

www.seed.pr.gov.br Acesso em 03 de maio de 2007.

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº.2/01

– Diretrizes Nacionais para a Educação especial na

Educação Básica. Disponível no site

www.mec.gov.br Acesso em 08 de maio de 2007.

SINASON,

V. (1993). Compreendendo seu filho deficiente. Tradução: Sérgio Nunes

Melo, Rio de Janeiro: Imago.

SILVA,

L. H. ( 1999 ). Século XXI: Qual conhecimento ? Qual currículo ? Petrópolis,

RJ: Vozes.

TESINI,

S. F.; Manzani, E. J. (1999). Perspectivas de professores que trabalham com

deficientes mentais sobre a proposta de inclusão na rede oficial de ensino. In: E.J.

Manzini ( org. ). Integração do aluno com deficiência: perspectiva e prática

pedagógica. Marília: UNESP, p. 85 – 96.

TESSARO,

N.S. ( 2005 ). Inclusão Escolar Concepções de Professores e Alunos da

Educação Regular e Especial. São Paulo: Casa do Psicólogo.

VIGOSTSKY,

L.S. (1988). Formação social da mente. São Paulo: Mantins Fonseca.

VIGOSTSKY,

L.S. (1989). "Fundamentos de defectologia". Obras Completas. Habana.

Editorial Peeblo e Educaction, t.5.

VAYER,

P.; RONCIN, C. Integração da Criança Deficiente na Classe. Barueri, SP:

Manole.


Nenhum comentário:

Postar um comentário