domingo, 4 de dezembro de 2016

Fotonovela sobre Tomada de decisão apoiada e Curatela

Medidas Protetivas da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência - Pessoas com Deficiência Intelectual.
Ano: 2016
Categoria: Revistas
Assunto: Atuação do MP
http://www.cnmp.mp.br/portal_2015/publicacoes/250-revistas/9735-tomada-de-decisao-apoiada-e-curatela

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

As necessidades e redes de apoio de famílias de pessoas com perturbação do espectro do autismo

http://hdl.handle.net/10362/16776


Autor: :
Lopes, Ana Filipa da Silva Pimenta
RESUMO: O objectivo do presente estudo consistiu em avaliar as necessidades de apoio de 63 pais com filhos (crianças, jovens ou adultos) com Perturbação do Espectro Autista (PEA), no que diz respeito a: (1) necessidades de apoio identificadas pelos pais, (2) redes de suporte destes pais e (3) relação entre necessidades de apoio e características dos pais e filhos. Todos os pais tinham participado no 1º nível do projecto nacional intitulado “Oficinas de Pais/Bolsas de Pais” – o Grupo de Apoio Emocional (GAE). No sentido de verificar se ocorreram mudanças nas suas necessidades de apoio, avaliou-se o antes (momento I) e o depois do GAE (momento II). Utilizou-se a Escala de Funções de Apoio Social (Dunst, Trivette, & Deal, 1988) para avaliar as necessidades de apoio e a Escala de Apoio Social (Dunst, Trivette, & Deal, 1988) para avaliar as redes de apoio social. Os resultados demonstram que os pais de pessoas com PEA apresentam (tanto antes como após a frequência nas oficinas do GAE) sobretudo necessidades de apoio de carácter emocional e profissional, e menos necessidades de carácter prático. Para suprir as necessidades de apoio, antes e após o GAE, estes pais recorreram, numa primeira opção, ao cônjuge, aos profissionais e posteriormente aos amigos. Os vizinhos constituíram a rede de apoio social a quem menos recorreram. Apesar de algumas diferenças observadas entre o momento I e momento II, estas não foram estatisticamente significativas nem para as necessidades de apoio, nem para as redes de apoio social.------------------------- ABSTRACT: The study aimed to evaluate the support needs of 63 parents of children, adolescents and adults with Autistic Spectrum Disorder (ASD), concerning three aspects: (1) support needs that parents identified as major target, (2) social support network of these parents, and (3) the relationship between support needs and parent and children characteristics. All parents had participated in the first level of the national project “Oficinas de Pais/Bolsas de Pais” - the Emotional Support Group (ESG). In order to verify if any changes occurred in the needs of support, evaluation was carried before (moment I) and after (moment II) the ESG. In this context, parents filled the Supports Function Scale (Dunst, Trivette, & Deal, 1988), which evaluated their different needs of support, and also the Social Supports Scale (Dunst, Trivette & Deal, 1988) which in turn evaluated their social support network. The results showed that parents of children with ASD, both before and after the ESG, revealed emotional and professional needs and, in a less extent, also practical needs. To address the referred needs (before and after the ESG) these parents seek in the first place the support of their spouse, then that of professionals and, later on, that of friends. Neighbours are the support that parents least address. Despite some observed differences in support needs and social support networks between the two moments, these were, however, not statistically significant.

Ácidos grasos omega-3 en el tratamiento de los trastornos del espectro autista

Mais um resumo / abstract de um artigo recente que parece interessante.

Recibido 13 julio 2016, Aceptado 09 agosto 2016
Resumen
Los trastornos del espectro autista incluyen un grupo heterogéneo de trastornos del neurodesarrollo que se caracterizan por deficiencias en la interacción social, comunicación y aprendizaje, así como patrones de conducta restrictivos y reiterativos. A pesar de su inicio en la infancia, estos pacientes presentan afectación clínica también en la edad adulta. Los tratamientos farmacológicos son empleados de forma muy habitual a pesar de presentar escasa evidencia de su efectividad en pacientes adultos con estos trastornos.
En el contexto de una profundización en la etiopatogenia del autismo y la búsqueda de alternativas terapéuticas que puedan demostrar eficacia, recientemente se han llevado a cabo estudios en relación con el posible déficit y uso clínico de ácidos grasos omega-3 en pacientes con trastornos del espectro autista.
A continuación se presenta el caso clínico de una paciente adulta con autismo a quien los tratamientos farmacológicos empleados durante años no habían resultado eficaces, apareciendo alteraciones analíticas como efectos adversos, planteándose entonces el tratamiento con ácidos grasos omega-3, con buen resultado posterior.
Palabras clave
Autismo, Tratamiento, Omega-3, Ácidos grasos poliinsaturados



Artigo / tese interessante sobre processos inflamatórios do sistema nervoso e pessoas com TEAs


Título:Papel da neopterina sobre a ativação do complexo inflamassoma no sistema nervoso
Autor:Martins, Roberta de Paula
Resumo: A inflamação é um processo essencial à proteção do organismo,entretanto, pode tornar-se prejudicial quando persistente. Neste contexto, vários estudos têm sugerido a ativação do inflamassoma,complexo que processa as citocinas pró-inflamatórias pró-IL-1ß e pró-IL-18 em suas formas maduras, como um evento determinante na patogênese de condições inflamatórias. Evidências têm demonstrado quea produção de espécies reativas de oxigênio (ERO) deve induzir a ativação do inflamassoma NLRP3. A neopterina, uma pteridinaendógena, é considerada um biomarcador precoce e sensível de ativação do sistema imune. Concentrações elevadas de neopterina podem ser encontradas nos fluidos biológicos de pacientes com doenças neurológicas/neurodegenerativas. Entretanto, as concentrações da neopterina no líquido cefalorraquidiano parecem não corresponder diretamente com as concentrações observadas no plasma, sugerindo que a pteridina tenha uma produção no sistema nervoso central (SNC) de maneira independente da periferia. Apesar de elevadas concentrações de neopterina terem sido associadas a estresse oxidativo e inflamação durante décadas, seu papel nestas condições ainda não está elucidado.Assim, investigou-se a produção de neopterina no SNC e seus efeitossobre a ativação do inflamassoma em condições inflamatórias.Inicialmente, investigou-se se os astrócitos contribuem para a síntese de neopterina e qual o efeito da neopterina exógena em condições de mitotoxicidade induzida por azida sódica. Observou-se que astrócitoscorticais produzem e secretam neopterina para o meio extracelular em condições de mitotoxicidade. Além disso, neopterina (50 nM) inibiu a produção de ERO e aumentou o conteúdo de heme-oxigenase-1 induzido pela mitotoxina. A fim de avaliar a produção central de neopterina, induziu-se a inflamação aguda através da administração intraperitoneal de lipopolissacarídeo bacteriano (LPS; 0,33 mg/kg) emcamundongos suíços adultos. Foi observado que o LPS aumentou rapidamente a produção de neopterina no hipocampo e a secreção damesma no soro, fenômenos que aconteceram em paralelo à ativação do inflamassoma. Com o objetivo de melhor compreender as consequências da produção de neopterina no SNC, avaliou-se também o papel do précondicionamento com neopterina na ativação do inflamassoma induzida por LPS em cultura primária de células nervosas humanas. Observou-seque o pré-condicionamento com neopterina reduziu a ativação do inflamassoma em astrócitos humanos, além de inibir a expressão gênica de pró-caspase-1 em neurônios. Ainda, a neopterina aumentou as ecreção astrocitária das citocinas anti-inflamatórias IL-10 e IL-1Ra. Considerando que além de biomarcador da ativação do sistema imune, a neopterina deve exercer funções neuro protetoras em condições inflamatórias no SNC, analisou-se a secreção de neopterina e mediadores inflamatórios no soro de pacientes diagnosticados com Transtorno do Espectro Autista (TEA). Observou-se concentrações elevadas de neopterina e das citocinas anti-inflamatórias IL-10 e IL-1Ra em pacientes diagnosticados com TEA, porém as citocinas próinflamatórias IL-1ß, TNF-a e IL-6 não aumentaram significativamente.Em conclusão, a produção de neopterina anterior ou em paralelo à estímulos inflamatórios no SNC pode exercer funções neuroprotetoras, favorecendo a resistência ao estresse oxidativo e inibindo a ativação do inflamassoma, provavelmente devido a ativação da via Nrf2/OH-1.
Abstract: Inflammation is an essential process for host defense; however, it canbecome harmful when sustained. Several studies have suggested that inflammasome activation, a protein complex responsible for thematuration of pro-inflammatory cytokines, pro-IL-1ß and pro-IL-18, is akey event in the pathogenesis of inflammatory diseases. It has been demonstrated that reactive oxygen species (ROS) production maytrigger NLRP3 inflammasome activation. Neopterin, an endogenouspteridin, is considered an early and sensitive biomarker of immunesystem activation. Elevated neopterin levels can be found in thebiological fluids of patients affected by neurological/neuro degenerative diseases. The origin of the metabolite in the brain is still not completed defined, but there is some evidence suggesting that neopterin synthesisin the central nervous system (CNS) is independently of the periphery. Although elevated neopterin levels have been associated with oxidativestress and inflammation for decades, the role of the pteridine in these conditions remains also unclear. Initially, it was investigated whetherastrocytes could contribute to neopterin synthesis and the effects ofexogenous neopterin on azide-induced mitotoxicity. It was observed that rat cortical astrocytes produced and released neopterin under mitochondrial stress. In addition, extracellular neopterin (50 nM)inhibited ROS production and increased heme-oxygenase-1 (HO-1)content. Thus, we investigated neopterin production in the CNS under lipopolysaccharide (LPS)-induced inflammatory conditions. A singleLPS (0.33 mg/kg; intraperitoneal) injection in adult Swiss mice elicitedan early hippocampal and serum increase of neopterin levels, phenomenon that occurred in parallel with inflammasome activation. Aiming to better understand the role of neopterin under inflammatoryconditions in the CNS, we evaluated the effect of pre-conditioninghuman primary nerve cells on LPS-induced inflammasome activation.Neopterin pre-conditioning inhibited the inflammasome activation inastrocytes and neurons. Moreover, neopterin conditioning increased theastrocytic release of anti-inflammatory cytokines IL-10 and IL-1Ra.Finally, considering that neopterin showed the above mentionedcytoprotective effects and that it is a clinical biomarker for inflammation, we then analyzed the levels of neopterin and cytokines inthe serum of patients affected by Autism Spectrum Disorders (ASD),which physiopathology is still virtually known. Higher neopterin andanti-inflammatory IL-10 and IL-1Ra levels were observed in ASDpatients, while IL-1ß, TNF-a and IL-6 did not change. In conclusion,neopterin may exert neuroprotective functions when produced before orin parallel with the inflammatory stimulus in the CNS by favoring oxidative stress resistance and inhibiting inflammasome activation,probably by activating the Nrf2/HO-1 cytoprotective pathway.
Descrição:Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Biológicas, Programa de Pós-graduação em Bioquímica, Florianópolis, 2016.
URI:https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/168086
Data:2016



sábado, 2 de julho de 2016

8º Curso de Especialista en Autismo 2016



Autismo Diario publicó:"Está abierto el plazo de matrícula para el 8º Curso de Formación de Especialista en Autismo organizado por la Fundación Quinta junto al centro Juan Martos. El Curso de Especialista en Autismo ofrece una formación de gran calidad que capacita a profesional"



8º Curso de Especialista en Autismo 2016

by Autismo Diario

Está abierto el plazo de matrícula para el 8º Curso de Formación de Especialista en Autismo organizado por la Fundación Quinta junto al centro Juan Martos. El Curso de Especialista en Autismo ofrece una formación de gran calidad que capacita a profesionales del ámbito educativo y clínico para la intervención especializada con personas con TEA. […]

Leer más de esta entrada

Autismo Diario | julio 1, 2016 a las 7:36 am | Etiquetas: formacion | Categorías: Eventos | URL: http://wp.me/p1lUm3-8St




http://autismodiario.org/2016/07/01/8o-curso-especialista-autismo-2016/



sexta-feira, 13 de maio de 2016

Alerta de la FDA sobre el aripiprazol (Abilify, Aristada)



Daniel Comin publicó:"La Food and Drug Administration (FDA) de los EE.UU., lanzó una alerta el pasado día 3 de mayo sobre los efectos indeseados del aripiprazol en su uso en niños con autismo. Tanto el aripiprazol como la risperidona son dos fármacos aprobados pro la FDA para "

Entrada nueva en Autismo Diario


Alerta de la FDA sobre el aripiprazol (Abilify, Aristada)

by Daniel Comin

La Food and Drug Administration (FDA) de los EE.UU., lanzó una alerta el pasado día 3 de mayo sobre los efectos indeseados del aripiprazol en su uso en niños con autismo. Tanto el aripiprazol como la risperidona son dos fármacos aprobados pro la FDA para su uso en niños con autismo, se utiliza con la […]

Leer más de esta entrada

Daniel Comin | mayo 12, 2016 a las 6:05 pm | Etiquetas: aripiprazol, Autismo Diari, farmacos, risperidona | Categorías: Internacional, Noticias, Salud, Tratamientos | URL: http://wp.me/p1lUm3-8Mk




¿Tienes problemas haciendo clic? Copia y pega esta URL en tu navegador:
http://autismodiario.org/2016/05/12/alerta-la-fda-aripiprazol-abilify-abilify-mantenim-aristada/



sábado, 2 de abril de 2016

Dia Mundial da Conscientização do Autismo

No dia 18 de dezembro de 2007 a ONU (Organização das Nações Unidas) declarava o dia 2 de Abril o Dia Mundial da Conscientização do Autismo. Desde 2008, no dia 2 de Abril, pais, profissionais e associações de autismo ao redor de todo o planeta, buscam mostrar a sociedade o que é o Autismo, fazendo caminhadas, promovendo eventos, encontros, cursos, assim como iluminando de azul (a cor escolhida para representar o autismo) lugares emblemáticos das cidades.

O Autismo é um transtorno, que faz parte dos TEAs (Transtornos do Espectro do Autismo). É um transtorno de origem neurológica, que afeta o cérebro, e por isso implica em um transtorno global do desenvolvimento, onde os diversos aspectos do desenvolvimento esperado normalmente podem ser afetados, tais como atraso na fala (ou a sua ausência), por exemplo. Caracteriza-se fundamentalmente por dificuldade na comunicação (seja verbal, não verbal ou gestual), interação social, e uma notável rigidez de pensamento e comportamentos e pensamentos repetitivos, daí ser a quebra de rotinas uma das maiores dificuldades para a pessoa com autismo. A combinação dessas características evidencia um dos maiores problemas para a pessoa com autismo, entender o que se espera dela, o que esperar do outro, e principalmente com que intenção. Colocar-se no lugar do outro, perceber se o outro está triste ou alegre. Essas características variam em grau, indo do leve ao severo passando pelo moderado.
 O autismo afeta por igual independente do gênero (proporcionalmente quatro vezes mais pessoas do sexo masculino que feminino), etnia ou classe social. É um transtorno por toda a vida, ou seja, infelizmente ainda não temos a cura para o autismo.
A ONU não apenas instituiu simbolicamente o dia Mundial da Conscientização do Autismo, a organização também pede que os países que são signatários da Convenção das Pessoas com Deficiência (o Brasil é signatário), garantam a dignidade e a qualidade de vida das pessoas com autismo. Nesse aspecto o Brasil ainda tem muito que fazer. Ou seja, não basta iluminar de azul ( aliás, o autismo é um espectro, portanto deveria ser representado por todas as cores!). Não basta os programas de televisão focarem apenas na “criança com autismo”. Nossos filhos e filhas exigem respeito! 
Desde 1993 quando meu filho foi diagnosticado com Autismo, até os dias de hoje, quando em junho ele completará 27 anos de idade, nunca parei de buscar o que pudesse melhor ajudar no seu desenvolvimento. Também tenho acompanhado a luta de pais ao longo desses 27 anos, em que o país pouco se preparou para ajudar as pessoas com autismo.  As iniciativas são sempre de pais, cansados e indignados com a falta de serviços especializados na rede pública de educação e saúde. Pais que se juntam, formam grupos e associações, como é o caso da TEIAA, grupo de pais com filhos com autismo, aqui de Teresópolis, Rio de Janeiro, cuja presidente é a minha xará Valéria V. de Faria Barros.
Em 2012 foi aprovada a Lei do Autismo (também conhecida como Lei Berenice Piana em homenagem a mãe que lutou pela sua aprovação) pelo Congresso Nacional e sancionada pela presidência da república, onde se lê em seu primeiro artigo: “Art. 1o  Esta Lei institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista e estabelece diretrizes para sua consecução”. 
O município de Teresópolis, graças ao esforço da presidente da TEIAA, Valéria Barros, também aprovou a Lei de Política e Proteção da Pessoa com Autismo.
 Temos as leis, temos pais engajados e profissionais interessados, falta o poder público fazer a sua parte, implantar as políticas e dar dignidade e qualidade de vida ao cidadão com autismo. O que mais me deixa chateada e inconformada é que são serviços fáceis para o poder público instituir. Treinar professores, educadores e profissionais da saúde para atender pessoas com autismo não é complicado. O que falta é interesse e boa vontade. 
Incluir não é apenas colocar a criança com autismo em uma sala de aula, mas oferecer serviço de qualidade a todas as crianças, de acordo com as necessidades específicas de cada uma. É ter médicos capacitados nos postos de saúde que saibam fazer um diagnóstico, é oferecer terapias, tratamento ambulatorial, é proporcionar treinamento profissionalizante a adolescentes e adultos com autismo, e amparar ao idoso ou órfão com autismo.
Eu sei que muito falta, mas pela primeira vez em Teresópolis, vejo um grupo coeso e firme no propósito de lutar pelo autismo. Que no dia 2 de abril as vozes de pais, amigos e pessoas com autismo de Teresópolis sejam ouvidas!

Valéria Llacer (M Ed, Educação Especial e Autismo; especialista TEACCH pela Universidade da Carolina do Norte, EUA, psicopedagoga)

Fontes:
Lei 12. 764/ 2012 – Lei do autismo – Berenice Piana
Meu blog e Facebook - Autividade:
Grupo TEIAA:
Lei de Política e Proteção da Pessoa com Autismo – Teresópolis (15/09/2015)



segunda-feira, 28 de março de 2016

TEA, sedentarismo y obesidad




José Ramón Alonso publicó:"Diversos grupos de investigación han estudiado en los últimos años tanto en niños como en adolescentes si el TEA va unido a unos hábitos de vida más sedentarios, a menor actividad física, a mayor tiempo dedicado a los artilugios electrónicos y a un mayor "



TEA, sedentarismo y obesidad

by José Ramón Alonso

Diversos grupos de investigación han estudiado en los últimos años tanto en niños como en adolescentes si el TEA va unido a unos hábitos de vida más sedentarios, a menor actividad física, a mayor tiempo dedicado a los artilugios electrónicos y a un mayor riesgo de obesidad. La metodología era bastante parecida, recoger datos de encuestas […]

Leer más de esta entrada

José Ramón Alonso | marzo 27, 2016 en 4:50 pm | Etiquetas: Alimentación, obesidad | Categorías: Alimentación, Salud | URL: http://wp.me/p1lUm3-8G3



¿Tienes problemas haciendo clic? Copia y pega esta URL en tu navegador:
http://autismodiario.org/2016/03/27/tea-sedentarismo-obesidad/